Faça valer seus direitos com os melhores advogados!
"O direito não socorre aos que dormem!"

NOTICIAS

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,08 4,08
EURO 4,56 4,56

Relatos de dependência química emocionam em evento na Ordem

Na noite de ontem, dia 13, a Ordem sediou a segunda edição do evento A vez e a voz do dependente químico. Organizado pela Comissão de Políticas sobre Drogas (CPDR), o encontro reuniu palestrantes que sofreram os duros efeitos da dependência química. Os depoimentos em tom emocionado comoveram a público. O presidente da CPDR, Wanderley Rebello de Oliveira, destacou a importância de atacar o vício em drogas, que vem aumentando de modo alarmante nos últimos anos.   Luciana Lage foi a primeira a compartilhar a sua história. Após anos de consumo excessivo de bebidas alcoólicas, constata que a dependência ainda é vista por muitos como uma questão moral e refuta essa abordagem, pois se trata de uma doença reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS). “Não existe ex-dependente químico, mas sim estagnação”, pontuou. Lage ressaltou como usuários nunca acreditam que vão atingir o quadro crônico e acrescentou: "você muda né e muda pra pior. Nunca vi alguém melhorar com o álcool. Felizmente eu encontrei o caminho da recuperação".   Rodrigo Santos, que tocou por 26 anos na banda Barão Vermelho e hoje segue carreira solo, revela que demorou a reconhecer a gravidade de sua situação.“O envolvimento com grupos de mútua ajuda precisa acontecer. Se você não consegue se ver, precisa enxergar o problema no outro”. Abstinente há 14 anos, relata que demorou muito tempo pra se sentir seguro o bastante para cantar Por que a gente é assim?, famosa música da banda que trata do consumo de álcool. "Eu não trocaria um dia de loucura por um dia sóbrio. Via a vida", finalizou.   Na sequência, foi a vez de Leo Mota pidir a sua trajetória de vida. Autor do livro Há vida depois das marquises, esgotado em distintas livrarias, Mota chegou a ser morador de rua por conta do vício em drogas. "Escrevi o livro pra pedir respeito, reescrever a minha história e sinalizar que há saída". Logo depois, o humorista do SBT Duca Pantaleão. conseguiu tanto sensibilizar a plateia quanto arrancar risos dos presentes.   
14/05/2019 (00:00)
Visitas no site:  189379
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia